A- A A+

Feliz é a Nação Cujo Deus é o Senhor - Salmos 33:12 | Telefone: 33 3342 2000 | 33 3342 2028 | E-mail: comunicacao@martinssoares.mg.gov.br

   

História

O Município surgiu a partir de 1894 e tem história importante.
Martins Soares começou a se constituir em 1894, quando o pioneiro José Batista dos Reis, proveniente de Juiz de Fora, compra glebas de terra do estado e se instala na região. A escritura da propriedade é datada de 09 de junho de 1895.
Anos depois, sua esposa, Conceição Eugênia de Carvalho, e seu filho, João Batista dos Reis, doaram uma área do terreno para a formação de um patrimônio e a construção de uma capela em honra a Nossa Senhora dos Homens.
Com a abertura das matas, antes ainda 1900, novas famílias se instalaram na região. O café foi o grande responsável pelo desenvolvimento econômico da localidade, a esta altura denominada de Pousa Alegre.
O distrito foi criado através de uma lei de 27 de dezembro de 1948 e recebeu o nome de (Luiz Martins Soares), renomado homem público de Minas Gerais e tio do então Governador do estado Milton Soares Campos.
A instalação do distrito ocorre em 14 de julho de 1953. Em fevereiro de 1994, foi instituída a comissão organizadora de emancipação e o plebiscito em outubro de 1995, que confirmou a vontade popular. O município foi emancipado em 21 de dezembro. As primeiras eleições aconteceram em 1996 e a posse em 1997.

A primeira denominação do povoado que deu origem a Martins Soares era "Pouso Alegre", mas, quando da criação do  distrito, o nome foi alterado para homenagear a memória de um dos vultos mais proeminentes da política mineira.
A primeira designação era bem apropriada para um lugar tão tranquilo, bonito e agradável como esta cidade mineira, fato que todo turista constata. Entretanto, há duas versões para a origem do termo  "pouso alegre" e ambas em haver com bandos de pássaros e a cantoria promovida por eles.
Conta-se que no povoado havia um rancho de tropeiros e que quando estes mercadores chegavam eram bem tratados e recebidos com alegria pelos moradores. O lugar vivia repleto de bandos de pássaros e por isso os arrieiros (espécies de guias que conduzem as bestas de carga pela estrada) passaram a chamar aquele local de "pouso alegre".  
Outra versão relata que perto do rancho havia uma família que dava pensão aos passantes. Os viajantes teriam chamado o local de "pouso alegre" devido as revoadas de pássaros e o festival de cantos.